RS detecta gafanhotos em cinco municípios

Culturas ainda não apresentam prejuízos pelos insetos

Fiscais estaduais agropecuários e engenheiros agrônomos da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) realizaram na sexta-feira (17), fiscalização de áreas agrícolas para monitoramento de gafanhotos.

Nesta fiscalização, realizada através de denúncia, foram feitas vistorias nas áreas agrícolas do município de Ajuricaba. Os gafanhotos, das espécies Zoniopoda iheringi e Chromacris speciosa, foram encontrados. Eles são nativos do Rio Grande do Sul, não se tratando de gafanhotos migratórios presentes na Argentina.

“As culturas comerciais de grãos, como milho e soja, atualmente implantadas em condições de estresse hídrico, não apresentam danos significativos causados pelo inseto. No entanto, a incerteza em relação ao clima e o desconhecimento dos hábitos dos gafanhotos podem gerar preocupação entre os agricultores”, destaca Rita Grasselli, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal.

A recomendação para os agricultores é para permanecer em alerta em relação a novos focos e que, em casos de alta infestação associados a danos verificados nas lavouras, entrem em contato com a Inspetoria de Defesa Agropecuária do seu município ou a Emater. E também o contato pode ser feito através do email: [email protected]

Além de Ajuricaba, foram feitas vistorias também nos municípios de Coronel Bicaco, Nova Ramada, Santo Augusto e São Valério do Sul. Neste ano de 2021, foram 19 fiscalizações no total.

A SEAPDR é participante do Comitê de Emergência Fitossanitária para Schistocerca cancellata, conforme Portaria de Emergência MAPA nº 201/2020 e Instrução Normativa SEAPDR nº 17/2020 e, por isso, tem realizado vistorias de monitoramento de populações acridianas em áreas agrícolas do Rio Grande do Sul.