fbpx

Adaptação genética ajuda sorgo a evitar a “bruxa”

Um estudo da Penn State, dos Estados Unidos, descobriu que uma adaptação genética que ajuda as culturas de sorgo a evitarem a praga “bruxa”. Alterações no gene LGS1 afetam alguns dos hormônios da colheita, dificultando a localização de parasitas no solo, pelo menos em algumas regiões.

A erva-bruxa é uma das maiores ameaças à segurança alimentar na África, pois causa perdas anuais de bilhões de dólares em colheitas. Tem uma variedade de convidados, incluindo o sorgo, a quinta maior safra de cereais do mundo. “Queríamos saber se as plantas de sorgo em áreas com alta prevalência de parasitas se adaptaram localmente por ter mutações no LGS1”, disse Jesse Lasky, professor assistente de biologia da Penn State e principal autor do artigo.

“Pensamos frequentemente na adaptação local das culturas agrícolas no que diz respeito a fatores como temperatura, seca ou salinidade. Por exemplo, se plantas em uma região particularmente seca fossem adaptadas localmente para ter genes associados à tolerância à seca, poderíamos potencialmente produzir plantas com esses genes para resistir à seca. Queríamos saber se você pode ver esse mesmo tipo de adaptação local a algo biótico, como um parasita”, indica.



Os pesquisadores modelaram a prevalência de bruxas na África e compararam a presença de mutações no LGS1 que, acredita-se, conferem alguma resistência ao sorgo. Eles descobriram que essas mutações eram mais comuns em áreas com alta prevalência de parasitas, sugerindo que as plantas de sorgo nessas áreas podem ser adaptadas localmente para lidar com o parasita. 

Fonte: Agrolink