fbpx

Alta em dólar pode favorecer negócios no Brasil

O mercado brasileiro de milho pode ser beneficiado pela alta do dólar frente ao real, favorecendo negócios voltados à exportação. No cenário externo Chicago também avança, mantendo o tom positivo da última sessão.

CHICAGO

* Os contratos com entrega em dezembro/19 operam a US$ 3,76 1/2 por bushel, alta de 5,50 centavos em relação ao fechamento anterior, ou 1,48%.



* O mercado busca suporte nas preocupações com a ocorrência de frio e de geadas em áreas produtoras do país nas próximas semanas, o que pode prejudicar as lavouras do cereal.

* As vendas líquidas norte-americanas de milho para a temporada comercial 2018/19, que tem início no dia 1o de setembro, ficaram negativas em 2.500 toneladas na semana encerrada em 22 de agosto. Para a temporada 2019/20, ficaram em 858.900 toneladas. Os analistas esperavam exportações entre 550 mil e 1,050 milhão de toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

* Ontem (28), os contratos de milho com entrega em dezembro de 2019 fecharam a US$ 3,71, alta de 4,75 centavos de dólar, ou 1,29%, em relação ao fechamento anterior.

CÂMBIO

* O dólar comercial opera com alta de 0,36% a R$ 4,172.

INDICADORES FINANCEIROS

* As principais bolsas da Ásia fecharam em baixa. Xangai, -0,1%; e Tóquio, -0,09%.

* As principais bolsas na Europa operam em alta. Paris, +1,26%; Frankfurt, +0,97% e Londres, +0,95%.

* O petróleo opera em alta. Outubro do WTI em NY: US$ 56,00 o barril (+0,41%).

* O Dollar Index registra alta de 0,15%, a 98,35 pontos.

MERCADO

* A movimentação cambial resultou em um menor fluxo de negociações até aqui na semana no mercado de milho. Os preços estiveram pouco alterados nesta quarta-feira. Basicamente, os agentes que compõem o mercado atuaram de maneira retraída, analisando cuidadosamente suas estratégias, destaca o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias. “De qualquer forma, a paridade vigente ainda oferece sustentação aos preços nos portos”, observa.

* No Porto de Paranaguá, o preço ficou em R$ 37,50/38,50 a saca. Em Santos, o preço girou em torno de R$ 36,80/37,50 a saca.

* No Paraná, a cotação ficou em R$ 31,50/33,50 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 34,00/36,00 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 37,00/38,50 a saca.

* No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 38,00/40,00 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 34,00/35,00 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 28,00/30,00 a saca em Rio Verde, no disponível. Em Mato Grosso, preço ficou a R$ 27,00/29,00 a saca em Rondonópolis, para o disponível.

Fonte: Safras & Mercado