fbpx

Argentina aumentará imposto sobre a soja e produtores podem fazer greve

O Ministério da Agricultura do país confirmou que o imposto sobre as exportações de soja realmente aumentará de 30% para 33%. Compensação proposta pelo governo não será suficiente!

Após nova reunião entre o ministro da Agricultura da Argentina, Luis Basterra, e representantes do setor produtivo, foi comunicado que um acordo foi firmado entre as partes. Como resultado, haverá um novo aumento no imposto (retenciones) sobre a exportação da soja, que passará de 30% para 33%.

A medida já era esperada desde o fim da semana passada, quando o governo paralisou temporariamente a autorização de exportação de soja do país. A ideia era evitar que os negociadores corressem ao mercado para tentar adiantar as vendas com o imposto antigo.

A perspectiva é que o decreto seja publicado nesta próxima quinta-feira, 5, quando também deverá ser reaberto o registro de exportações.

Segundo um dos principais jornais do país, La Nación, o Ministro da Agricultura, Luis Basterra, ofereceu um esquema de compensação para os 42 mil produtores, com a redução de direitos para outras culturas, para diminuir o descontentamento do campo.

“Isso é muito ruim para o setor da soja, pois além das retenções, há preços internacionais baixos. Muitos produtores têm a intenção de realizar uma greve agrícola na semana que vem, segundo as associações do setor”, diz Sebastian Gavalda, sócio diretor da empresa Globaltecnos, da Argentina.

Gavalda explica que, de toda a arrecadação obtida com o setor agropecuário, 67% são oriundos da venda de grão, farelo e óleo de soja. Outros 14% vem do milho e do trigo, que não tiveram redução nas retenciones e continuam com 12% de arrecadação.

“Essas são nossas três principais culturas, respondem por 81% das exportações. Ou seja, a redução no restante das culturas não compensa. Aliás, essas compensações nunca deram resultado antes. Os produtores seguem com a intenção de fazer greve na próxima semana”, diz Gavalda.

Lembrando que no fim do ano passado, o presidente do país Alberto Fernández já havia elevado o imposto de exportação da oleaginosa de 24,5% para 30%.

Confira abaixo o quadro de mudança nas retenciones:

Fonte: Canal Rural