fbpx

França proíbe 40 produtos à base de glifosato

Os produtos responderam por quase três quartos do volume de produtos de glifosato vendidos na França em 2018

A Agência Francesa de Saúde e Meio Ambiente (ANSES) disse na segunda-feira que estava proibindo 36 produtos contendo herbicida glifosato e recusando aplicativos para lançar outros quatro produtos com glifosato devido a dados insuficientes sobre riscos à saúde. Os produtos não serão mais autorizados para uso após o final de 2020, informou em comunicado. 

Os produtos responderam por quase três quartos do volume de produtos de glifosato vendidos na França em 2018, informou a empresa. O glifosato, desenvolvido pela unidade Bayer Monsanto sob a marca Roundup, tem sido foco de controvérsia desde que uma agência da Organização Mundial da Saúde concluiu em 2015 que provavelmente causa câncer. A Bayer nega a acusação. 

A Bayer está enfrentando ações potencialmente caras nos Estados Unidos e os políticos da União Europeia vêm debatendo proibições definitivas do assassino de ervas daninhas. A Áustria, que está tentando ser o primeiro país europeu a proibir todos os usos do herbicida, disse que uma lei sobre a proibição não pode entrar em vigor em 1º de janeiro como planejado, porque a Comissão Europeia não foi devidamente notificada. 

Em 2017, o presidente francês Emmanuel Macron prometeu acabar com o uso de glifosato na França dentro de três anos, como a Áustria que vai além da decisão da UE de estender seu uso por cinco anos. No entanto, o governo de Macron parou de legislar para proibir o glifosato, estabelecendo uma meta para interromper seu uso até 2021, exceto onde não existiam alternativas viáveis. 

A ANSES disse que está analisando os 69 produtos de glifosato disponíveis na França, bem como 11 aplicações para comercializar novos produtos. “A ANSES decidiu que 36 desses produtos serão retirados do mercado e não serão mais permitidos a partir do final de 2020, devido à falta ou ausência de dados científicos que permitiriam excluir todo risco genotóxico”. a agência disse. 

A Bayer disse em comunicado enviado por e-mail que cumpriria a decisão da ANSES, mas planejava fornecer dados adicionais à agência como uma maneira de “trabalhar no sentido de renovar as autorizações de comercialização de nossos produtos à base de glifosato na França”. 

Fonte: Agrolink