fbpx

Lucro do pecuarista passa dos 50% com engorda em boitel

A engorda do gado em confinamento está deixando de ser exclusividade da entressafra da pecuária de corte para se tornar útil em outras fases da produção. E sobretudo nesta configuração atual apontada pelo mercado, a intensificação do ciclo tem contribuído para o pecuarista aumentar sua rentabilidade de modo expressivo.

Nas unidades do Confinamento JBS, a terminação do gado em meio à safra ganhou o nome de boi das águas e está ajudando o produtor a aumentar o rebanho – ao enviar animais para a engorda terceirizada e fazer a reposição -, está contribuindo também para o aumento da lotação – já que o pecuarista tem mais tempo para vedar o pasto e deixá-lo em condição ideal para suportar os animais – e aumentando a sua renda, já que há bônus dos boiteis da companhia para os lotes engordados no período.



“Ele consegue desta forma aumentar o volume dele de animais porque ele vai ter animais no cocho e, daqui 20 dias, como no caso do norte (do MT) onde já vem chovendo bem, tem condição de colocar mais animais no pasto, ou seja, vai ter animal no pasto e animal no cocho. Então ele consegue, se não dobrar, chegar próximo disso em questão de número de animais e arrobas produzidas por hectare”, disse ao Giro do Boi desta segunda, 02, Hélder Pureza, gerente das unidades do Confinamento da JBS em Nova Canaã do Norte e Lucas do Rio Verde, ambas no Mato Grosso.

Além dos benefícios indiretos, o produtor que destina lotes para a engorda nos boiteis da empresa têm um bônus que impacta diretamente no retorno da operação. “Para os animais que começam a ser abatidos agora em janeiro até junho de 2020 a gente já tem a bonificação das águas que a gente consegue dar uma melhoria no preço para o nosso parceiro”, acrescentou Pureza. “Tem parceiro aqui que a rentabilidade chega a 50, 60% dependendo das arrobas engordadas”, enalteceu Pureza. O aumento da margem de lucro ocorre neste momento em que o valor do boi gordo descolou dos custos da engorda, oferecendo a oportunidade para o invernista.


SEGURO AGRÍCOLA
Com a necessidade do produtor rural ter um seguro de lavoura sem burocracia, de fácil contratação e que protegesse seus altos investimentos contra intempéries climáticas, a SEGURAGRO inovou os serviços de atendimento e assessoria na contratação de seguro agrícola de lavouras para culturas de soja, milho, trigo, feijão, café, cana-de-açúcar e outras culturas.

SAIBA MAIS SOBRE SEGUROS AGRÍCOLAS

Fonte: Giro do Boi